Do sonho de infância ao sucesso profissional

Entrevista com Mauro Rezende

Mauro Rezende, 44, Head of Technology Solutions para América Latina no YouTube, já sabia o que queria aos 11 anos de idade. “Quando eu peguei a primeira vez num computador, em 1983, que inclusive tenho até hoje e funciona, descobri o que queria fazer da minha vida. Logo vi que meu negócio não era a máquina em si, mas o que a tecnologia permite fazer a serviço de algo. Esse é o meu caminho de carreira”, conta Mauro.

Por causa desse mindset, Mauro mergulhou no mundo da tecnologia. “A primeira coisa que eu fiz foi um programa para guardar as receitas da minha mãe. Eu tinha 13 anos e o programa funcionou!”, relembra. Logo, o executivo teve o seu próprio negócio, atendendo várias empresas, principalmente farmacêuticas, atuou na área de tecnologia do Bank of Boston, foi programador na antiga Agência Click, até chegar no Google, onde está há 10 anos.

“A minha empresa foi meu primeiro trabalho. Eu e dois sócios. Ficamos cinco anos com a empresa e tomamos a decisão de voltar para o mercado.” Não foi nada fácil. “Apesar de ter a experiência, a única coisa que conseguia comprovar no meu currículo era que eu programava, então, voltei para a estaca zero”, explica. Mauro se viu num mundo de ameaças, mas também de oportunidades. “Foi uma das maiores dificuldades que vivi até hoje. Mas posso dizer que o pior momento da minha vida foi também a ponte para os melhores. Eu cresci muito com tudo isso, aprendi a não ter uma relação tão visceral com o trabalho e a ter uma relação com o fracasso, que é inevitável em muitos casos, completamente diferente”.

O negócio do empreendedor é tirar os projetos da estaca zero rumo ao sucesso. “Praticamente comecei uma empresa do zero. Me deram carta branca. Contratei um time inteiro, respondendo para o diretor global. Certamente foi a melhor coisa que já fiz profissionalmente até hoje. Me senti construindo a minha própria empresa. Como meu negócio é alavancar projetos do zero, posteriormente eu treinei um sucessor para tocar a operação, e fui para o Youtube.”.

É exatamente por isso que Mauro se tornou um dos mentores do Visionários, plataforma inovadora que estimula o empreendedorismo social. “Além de atuar no YouTube, queria atuar com algo que pudesse gerar transformação social, utilizar meu conhecimento, que foi, até hoje, 100% no mundo corporativo, para a melhoria de vida das pessoas. O Visionários caiu como uma luva. Além de poder realizar essa grande vontade, posso fazer o que sei e gosto: ajudar a construir negócios do zero, fazer alavancar e, principalmente, funcionar!”, ressalta.

Para Mauro, o empreendedorismo social é uma ferramenta de transformação social, mas exige muito suor. “Fato é que ter ideia e empreender são coisas diferentes. A faísca é imprescindível, mas precisa de muita gasolina para queimar. Um empreendedor sem uma boa ideia também não vai chegar a lugar nenhum. Na minha empresa, por exemplo, nós éramos muito bons para fazer coisas, mas sem um norte definido. Não basta ter uma ideia, tem que construir essa ideia, conectar com quem vai usar o resultado dela. Juntar pessoas com qualidades diferentes para fazer o negócio acontecer”, explica.

O executivo ainda deixa uma dica valiosa para a geração dos Millennials, que estão a todo vapor querendo empreender. “Paciência. As coisas em geral não vão sair como você planejou, então é preciso paciência, e se adaptar aos novos cenários que vão se formando.
Muitas vezes o caminho é mais importante do que o destino porque é durante o trajeto que muitas vezes é necessário adaptação e até mesmo mudança de norte, de objetivo. A visão imediatista da geração atual pode ser perigosa. É preciso ter a capacidade de aceitar que é natural o ajuste da rota para o destino final”.