Calhau Social: a startup que transformará o negócio de mídia no Brasil

Entrevista com Sheila Piestun

Sheila Piestun, 29, é fundadora do Calhau Social, iniciativa inédita que pode transformar o negócio de mídia brasileiro. Trata-se de uma plataforma de marketing digital com foco em projetos sociais. Vencedora do Projeto Visionários 2016, a startup conecta publishers dispostos a doar espaços de publicidade a organizações que querem divulgar campanhas sociais. “Nunca imaginei chegar aonde chegamos, e nem mesmo trabalhar com terceiro setor. Eu, Marcia Klepacz e Thiago Silvestre iniciamos a Calhau em setembro de 2016, logo depois que vencemos o Visionários, já contamos com mais de trinta ONGs parceiras como a APAE, os Doutores da Alegria, e o GRAAC, a ideia é aumentar esse número cada vez mais”, ressalta Sheila.

A empreendedora é formada em Desenho Industrial, passou por algumas empresas e áreas diferentes, contudo, credita as maiores transformações de sua vida às viagens, a experiências completamente diferentes. “Qualquer centavo que sobra eu uso para viajar. Ter vivido dois anos fora do Brasil, um em Israel, e um na Espanha, me ajudou a saber o que eu queria para mim. Se não tivesse conhecido as pessoas que cruzaram meu caminho até hoje, vivido as experiências que vivi, não teria a ideia do Calhau ou sequer inscrito no Projeto Visionários”, explica.

A conexão com o terceiro setor não está relacionada apenas ao empreendedorismo, mas também à essência de Sheila como pessoa. Há três anos, ela realiza uma viagem com alguns amigos para algum lugar do mundo com o objetivo de realizar alguma ação social. “Já fui para o Quênia ajudar na construção de uma biblioteca para crianças, e também para Guatemala ajudar a construir o telhado de uma escola, organizar os espaços da instituição. Nesse ano estou indo para a Ilha de Marajó com o propósito de construir o telhado da sede de uma aldeia dos pescadores. Essas experiências são aprendizados enormes”, conta.

Para Sheila, a melhor coisa que já fez na vida foi ter ido para África. “Foi uma experiência realmente transformadora. Eu diria que foram 10 anos de terapia em duas semanas”, ressalta. Além disso, foi lá que a “chavinha do empreendedorismo” girou em sua cabeça. “Eu voltei da África querendo fazer algo maior, tentar uma mudança significativa. É até sonhador demais, mas essa vontade de fazer algo realmente diferente foi despertada em mim”.

O empreendedorismo de Sheila está no sangue. Ela sabe da força de vontade necessária para os negócios vingarem: “Minha família sempre empreendeu, estive envolvida em quase tudo. É preciso ir muito atrás, ser persistente, saber executar. Se não souber, ir atrás de quem sabe. A minha maior motivação quando participei do Visionários foi ver que os outros também acreditavam na nossa ideia. Isso me dava segurança para prosseguir”.

O Visionários foi uma porta aberta para o início do empreendedorismo de Sheila e ela pretende chegar bem longe com a Calhau Social: “Queremos ser referência em tecnologia para o terceiro setor. Nosso objetivo é empregar toda a tecnologia utilizada em mercados bilionários de luxo, no terceiro setor!”, ressalta.

A dica da empreendedora para aqueles que pretendem seguir o mesmo caminho que ela e começar um novo negócio que faça diferença para a sociedade é ter muita persistência, fazer contatos, conhecer pessoas, e “colocar a cara a tapa”. “Não esconder a ideia. Não ter medo de compartilhá-la. Quanto mais gente sabe, maiores são as chances das pessoas se interessarem, de receber mais suporte e apoio”.