A história do Nahora.com: startup inédita que permite viajar mais por menos e sem se planejar

Entrevista com Aline Delouya

Aline Delouya, 26, é uma das fundadoras do Nahora.com, primeira plataforma de vendas relâmpago de passagens aéreas da América Latina. Trata-se de uma iniciativa inédita que permite que o consumidor viaje mais, ao mesmo tempo que agrega valor ao setor de aviação. O projeto teve início durante o Visionários, programa inovador que estimula o empreendedorismo social. “O Visionários apareceu na minha vida como uma grande oportunidade para poder criar algo novo, que fizesse sentido para mim, de sacudir mesmo o rumo da minha vida. E foi o que aconteceu. O Nahora.com foi criado para incentivar o mercado de turismo, lazer e entretenimento, trazendo uma nova solução para a gestão de ocupação das aeronaves, estimulando não só o mercado aéreo, mas o mercado de turismo e entretenimento ”, explica a fundadora.

Aline estudou contabilidade pela PUC e concluiu seu mestrado em Artes na Inglaterra, viveu em Israel, Rússia e Bali. “Quando entrei em Contabilidade e Cênicas, queria abrir uma escola de Teatro. Sempre fui boa em Exatas e lógica, mas minha paixão sempre foi a área de Humanas”. Durante sua trajetória, sentiu que precisava de mais, de algo novo, e seu. Empreender algo em que acreditava. “Comecei a juntar dinheiro e sempre pensando: “estou me preparando para uma batalha, que eu ainda não sei direito, mas que faça sentido para mim. A verdade é que eu queria um trabalho que me satisfizesse de verdade! Foi quando uma amiga me chamou para entrar no Visionários”, conta.

O empreendedorismo já fazia parte da vida de Aline antes mesmo da abertura do próprio negócio.”Quando se trabalha com criação de uma peça ou obra de arte, é como empreender, você estuda, testa, se arrisca, muda tudo, volta ao início, falha, tenta de novo, cria diversas estratégias, se arrisca mais um pouco, até que nasce um embrião que você cultiva para vir a se tornar algo relevante no futuro. Com o Nahora.com estou passando por todo este processo maravilhoso com minha equipe. O time faz toda a diferença no negócio. E tem sido fantástico, nenhum dia é igual ao anterior, vivemos intensamente todo o processo do negócio, cada pequena conquista e desafio”, ressalta a empreendedora. Juntamente com os dois fundadores, Maria Alice e Lucas Motta, o Nahora.com foi acelerado pela Startup Farm, a maior aceleradora da América Latina. Além disso, receberam o prêmio Mulher Tech Sampa.

O processo durante o Programa Visionários para chegar aonde está não foi nada fácil. A paixão e a força de vontade foram fortes aliados. “Tive vários momentos em que repensei tudo, principalmente porque durante o programa passei por uma cirurgia, fiquei sozinha, também tive o falecimento de uma pessoa próxima. Mas, para mim, desistir já não era uma possibilidade. Eu já estava apaixonada e comprometida com a entrega de um projeto para as Casas Taiguara”, conta. Antes da criação do Nahora.com, Aline juntamente com a Coordenadora pedagógica da instituição desenvolveram um projeto para a ONG Casas Taiguara, um projeto focado no desenvolvimento dos Educadores da Instituição, realizando imersões destes educadores em outras organizações. A proposta tinha como objetivo criar novas experiências e vivências transformando os profissionais sociais em multiplicadores. “A ideia era trabalhar na construção de conscientização, elaboração de mundo e promover a melhoria na qualidade de atendimento direto do serviço”, revelou Aline sobre o Projeto.

Histórias como a do Nahora.com podem inspirar outros futuros empreendedores. Para Aline, empreender exige preparo e coragem. “Ideias todos têm. Ela é 1% do empreendedorismo. Quem quer empreender precisa ser um guerreiro mesmo, ter força e coragem e se preparar para uma batalha diária. São vários “nãos” e cada “sim” deve ser comemorado. Se a pessoa não está disposta a isso, melhor não empreender. Fato é que o empreendedorismo é uma “guerra” enriquecedora, pois são batalhas de soluções e ideias. A maioria acaba por se diluir ou se transformar, permitindo novas experiências e frentes de inovação”, finaliza.